4 Pensamentos que Enterram uma Carreira Musical

Escrito por Vinicius Soares

Existe um texto bíblico que diz “Como pensei, assim sucederá.

E essa não é a mais pura verdade?

Nossa mente é a grande responsável por tudo o que realizamos. Tudo o que existe e foi criado pelas mãos do ser humano, antes, passou a existir em seu consciente e tomou forma com seu trabalho, pautado fielmente naquilo que acreditou que seria realidade um dia.

Steve Jobs, o criador da Apple, disse certa vez que a tecnologia touch (que iria revolucionar o mercado de telefones nos anos 2.000) já existia desde 1993 em sua mente. Brian Epstein quando viu o primeiro show dos Beatles disse que “ali naquele pub sujo com 30 espectadores estava nascendo uma revolução cultural sem precedentes.”

Esse texto não é sobre “pensamento positivo”, mas, sobre a influência desses pensamentos em posteriores atitudes que tomamos. Se existe uma coisa que pode aniquilar uma carreira musical é sem dúvida, a forma de conduzi-la e isso antes toma forma em nossa mente.

Existem pelo menos 4 pensamentos que dirigem o músico a ações diretamente contra sua própria carreira:

1) Se não “estourei” até hoje, não vou “estourar” mais

Um dos pensamentos mais nocivos é o que considera a idade como fator decisivo para o sucesso (seja qual for o significado de sucesso pra você). Existem músicos talentosíssimos que se enclausuraram por acreditarem que não existe público para prestigiar seu trabalho uma vez que possuem uma idade acima da mostrada por artistas do seu nicho. Existem públicos para todos os tipos de artistas, desde que seus trabalhos sejam profissionais e de qualidade.

Ao mesmo tempo o significado de sucesso acaba sempre sendo mal interpretado. Se sua música consegue impactar um público de nicho que apesar de pequeno, pode te garantir sustentabilidade, isso é um baita sucesso! E pra acontecer, não depende de gravadora, mídia de massa ou rádio. A internet é a porta pra isso.

2) O problema é o Brasil

O país é problemático? Claro que sim.  Mas, será que 100% dos brasileiros não conseguem alcançar seus objetivos? Claro que não. Jogar a culpa no país é no mínimo se esquivar da própria responsabilidade e quando se acredita nisso piamente, claro, pra que fazer alguma coisa para mudar? A verdade é que nós temos sim o poder de mudar a nossa própria situação.

Mesmo em meio à crise, existem músicos trabalhando, acreditando no que fazem e remando contra a maré, estão conseguindo viver de música no Brasil. A dificuldade existe, a crise existe, jamais podemos negar, mas, você não pode pensar que isso terá total influência no seu trabalho. Se nós não temos o poder de mudar nossa própria vida, pra que viver, concorda?

3) Preciso ser rico pra fazer minha carreira acontecer

Você vai precisar de dinheiro sim. Não se começa uma empresa sem investimentos, isso não existe (e sua carreira é uma empresa). Mas foi-se a época em que pagar milhões à uma televisão garantia a vida de um artista. O público possui voz e seleciona o que quer e não quer. “Ah Vinicius, mas e o estilo A, B e C que a gente não pára de ouvir por aí?” Mais uma vez eu gostaria de falar da internet.

Saia da TV, do rádio, faça isso um pouco e mergulhe no digital. Tem muita coisa acontecendo e isso certamente não vai ser mostrado no horário nobre da Globo.

4) Não vou conseguir

Henry Ford disse: “Se você pensa que não vai conseguir, você está certo. Se pensa que vai, também.”

A vida é moldada pelas nossas próprias mãos. Não acredito em destino.

Se não pudéssemos interferir em nossa própria vida, seria terrível acordar e saber que estamos vivos.

Mas claro que podemos. Pense nisso.

Sobre o autor

Vinicius Soares

Vinicius Soares é músico profissional, consultor de Marketing Musical, palestrante e criador da Palco Digital, marca que dá nome a um site, uma empresa de consultoria e um curso online focado em estratégia digital que já impactou quase 1.000 músicos dentro e fora do Brasil.

Já palestrou em grandes eventos do mercado ao lado de marcas como Vevo, Napster, Catarse, CDBABY dentre outras. Foi vencedor do Prêmio Profissionais da Música, uma das principais premiações do mercado musical brasileiro e fez parte de um dos painéis oficiais do Social media Week, maior evento sobre mídias sociais da América Latina.

3 Comentários

    • OI Adriana, sei que neste meio não é usual o termo: “Ter fãs”, mas você precisa ter fãs, por que são eles que movimentam as ações de produtores, empresários.
      O termo, “Ter fãs” pode ser trocado neste caso por: O número de pessoas que você consegue alcançar, e isso nem sempre será com sua música, muitas vezes será com o termo, “identificação”, ou seja: quanto mais pessoas se identificarem com você, mais pessoas conseguirá alcançar.
      O tocar de graça pode ser que você esteja divulgando seu trabalho em igrejas, que na maioria das vezes trabalham em cima do “servir”, não vejo como errado, mas o que você precisa, é focar em eventos fora dela!

  • Bem, só um comentario a respeito do segundo pensamento, o Brasil tem diversos estilos musicais muito populares, se voce trabalha com estilos que nao alcansam o gosto dos brasileiro, ai sim o Brasil é um problema, no minimo dificultando enormemente, sendo que é muito mais dificil e custoso criar uma carreira fora do pais, uma vez que voce mau tem dentro do proprio Brasil, a internet quebra um galho mas não faz milgre kkkk

Deixe seu comentário