Festivais de Música Mudaram e o Que Isso tem A Ver Com Você?

rc
Escrito por Vinicius Soares

Não preciso dizer que o Rock in Rio não é mais um festival apenas de rock, você sabe. O Lolapalooza, caracterizado por sua “pegada” alternativa e elogiado desde sempre por críticos do segmento, esse ano foi alvo de todo o tipo de resenhas contrárias (mesmo alcançando o maior público de sua edição brasileira).

Não me cabe dizer se isto é bom ou ruim, mas, o fato é que muitos se perguntam:  “Por que tudo isso?” E o  mais intrigante: “O que isso tem a ver com a música que eu faço?”

1 – Festivais são reflexo do consumo de música no mundo

Por que o Rock in Rio era essencialmente um festival de rock em suas primeiras edições e hoje não mais? A resposta é simples: A internet nos brindou com a possibilidade de ouvir muito mais do que as rádios e televisões pudessem nos apresentar. Um mar de estilos está atingindo uma nova geração (e a antiga também) e influenciando diretamente em seu comportamento.

Um fã de Foo Fighters pode ser um potencial ouvinte de música eletrônica e acompanhar com respeito, mesmo que de longe, artistas do pop brasileiro. O ouvinte de música tende cada vez mais a se distanciar de rótulos, apesar de se manter ativo em diversos nichos. Aliás, a existência do Palco Sunset (Rock in Rio) observa essa realidade.

O que os grandes festivais fazem é oferecer um cardápio com todas as opções para o gosto do freguês. E claro, quanto mais opções, maior o preço. O consumo de música no mundo é pulverizado, não se pode negar. Trazer isso para um produto que entrega shows era inevitável.

2 – É muito mais do que música

Existe muita música sim. Se é de qualidade ou não, cada público tem sua opinião, mas, o fato é que a pluralidade de estilos certamente incluiu mais pessoas que como dissemos, consomem música de forma diferente por causa da internet. E aqui mora um indicador importante: A internet não apenas mudou o comportamento na hora de se ouvir música, mudou o comportamento de vida.

Quem assiste um vídeo musical no You Tube acaba entregando mais do seu tempo aqueles que despertaram suas emoções. O Spotify recomenda músicas baseadas nas informações que você insere na plataforma. Música hoje se conecta com quem você é.

Desde 2013 o Coachella, tradicional festival de música, apresenta o Despacio, um ambiente apartado, separado para um público bem específico interagir com muita música baseada nas décadas de 70, 80 e 90 em uma roupagem eletrônica. Uma danceteria de nichos que certamente não caberia no grid do festival, mas, atrai muitas outras pessoas a um preço alto, claro.

Com uma infra estrutura potente, o Despacio acabou sendo um dos atrativos mais esperados por um público que dificilmente compraria o ingresso para esse festival. Um salto e tanto para a marca Coachella.

É papel de um negócio que vive de eventos como um festival de música, mapear necessidades, gostos e criar produtos baseados nisso, por mais louco que isso pode parecer pra você.

3 – O que isso tem a ver com você?

Entender a lógica de consumo de um festival plural nos dá o entendimento de como nossa própria música pode atingir as pessoas. É importante que artistas compreendam que o ouvinte da sua música é esse que está consumindo produtos como os grandes festivais. Se não consome fisicamente, acaba se conectando a tudo o que ali é feito.

O “novo fã” é plural. Vai sim amar sua música, mas, certamente navegará por outros estilos e terá mais afeição a artistas que conseguirem promover experiências sensoriais marcantes em seus trabalhos e sua comunicação.

Com tantas opções, esse fã reservará em sua mente poucos espaços cativos. Vai ouvir muitos, porém, terá a preferência por quem conseguir “arrebatar” suas emoções diariamente.

Saber usar a internet é F-U-N-D-A-M-E-N-T-A-L.

 

Sobre o autor

Vinicius Soares

Vinicius Soares é músico profissional, consultor de Marketing Musical, palestrante e criador da Palco Digital, marca que dá nome a um site, uma empresa de consultoria e um curso online focado em estratégia digital que já impactou quase 1.000 músicos dentro e fora do Brasil.

Já palestrou em grandes eventos do mercado ao lado de marcas como Vevo, Napster, Catarse, CDBABY dentre outras. Foi vencedor do Prêmio Profissionais da Música, uma das principais premiações do mercado musical brasileiro e fez parte de um dos painéis oficiais do Social media Week, maior evento sobre mídias sociais da América Latina.

Deixe seu comentário