Por que Você Deve Gravar uma “Live Session” ?

audiotree_a
Escrito por Vinicius Soares

Se nesse exato momento um músico me perguntasse: “Vinicius, que tipo de formato você recomendaria para mostrar uma música?” certamente eu responderia: Alugue um estúdio, grave sua performance ao vivo e divulgue. As estratégias de lançamento de álbuns mudaram porque fãs estão interagindo com a música de forma diferente.  Porém, sua paixão continua forte. E quando falamos sobre tudo isso, fica evidente que cada vez mais o público tende a consumir um conteúdo musical sob demanda que transpire verdade. É por isso que as chamadas “Lives Sessions” são ao meu ver hoje, um dos melhores formatos de divulgação de um trabalho musical independente.

Nunca se ouviu tanta música como em 2016

Um relatório da gigante de pesquisas Nielsen mostra que em 2016, o consumo de àudio foi superior em 97% a 2015. Sim, eu disse 97%. us-streams O mesmo relatório aponta que 80% dos ouvintes de música usaram serviços de streaming de vídeos, música ou transmissões ao vivo. music 360 image

Formato “Live Session”

Com os dados de consumo vistos acima, fica claro que o interesse por conteúdo audiovisual é crescente. Mas, onde está o formato “Live” nisso tudo? A revista Forbes “deu a letra”com uma matéria sobre a startup Audiotree, um pequeno estúdio que começou a alugar seu espaço para performances ao vivo de bandas e hoje conta com uma plataforma que já gravou mais de 800 músicos independentes. audiotree O modelo de negócios da Audiotree que, segundo a reportagem, está revolucionando a produção de conteúdo musical para artistas independentes, é baseado na gravação (em altíssima qualidade) de performances ao vivo. Além de disponibilizar o conteúdo no You Tube, a empresa replica o áudio nos principais canais de streaming e possui um leque de outros canais de divulgação alternativos. O conjunto de opções para disponibilizar o trabalho é comparado aos ramos de uma árvore, daí o nome. O resultado dessa iniciativa tem beneficiado inúmeros artistas que vêem portas para shows e contratos se abrindo dia após dia. Bandas como a PHOX (cuja performance você pode ver abaixo) fecharam turnês por dezenas de cidades depois que seu material foi gerado.

Além de ampliaram suas bases de fãs, músicos estão conseguindo projetar uma imagem diferenciada para o mercado que por sua vez, começa a se inclinar a esse produto. Hoje, o estúdio da Audiotree recebe bandas de todo o planeta. O artista assina um contrato com a startup que inclusive passa a agenciar a carreira de muitos a partir de então. Como os Estados Unidos antecipam tudo o que o mercado da música mundial executa, é muito importante que você fique ligado e rápido.

3 – Inclua o formato “Ao vivo” no seu Plano de Lançamento

Meu conselho para quem está pensando em gravar um EP, Single ou Álbum: Pense no formato “Live Session” como um investimento tão importante quanto a própria gravação da sua obra, ou a prensagem do formato físico. E se você possui um estúdio, está aí uma sacada para ampliar seus ganhos nos próximos anos. Pessoas gostam de ouvir uma boa música gravada, mas, observar a execução dessa mesma música ao vivo as conecta ao artista de forma avassaladora. O mercado percebe isso e é aí que moram as oportunidades. E então, vamos nos antecipar?

Assista o vídeo complementar a esse post abaixo:

Sobre o autor

Vinicius Soares

Vinicius Soares é músico profissional, consultor de Marketing Musical, palestrante e criador da Palco Digital, marca que dá nome a um site, uma empresa de consultoria e um curso online focado em estratégia digital que já impactou quase 1.000 músicos dentro e fora do Brasil.

Já palestrou em grandes eventos do mercado ao lado de marcas como Vevo, Napster, Catarse, CDBABY dentre outras. Foi vencedor do Prêmio Profissionais da Música, uma das principais premiações do mercado musical brasileiro e fez parte de um dos painéis oficiais do Social media Week, maior evento sobre mídias sociais da América Latina.

2 Comentários

Deixe seu comentário